Campo do piolho: mais um exemplo de descaso

Por: Erik Silva / Fotos: Osvaldo Morais

Ja havíamos noticiado, aqui mesmo no Infornativo, a situação precária vivida pelos moradores da Rua do Poço, no Bongi. O que não esperávamos era encontrar, desta vez, algo em condições ainda mais precárias, e bem próximo da Rua do Poço. Trata-se do Campo do Piolho, localizado no mesmo bairro. O lugar, como está sendo costume nesses lugares, está abandonado. Falta saneamento, segurança e saúde, já que o posto do local também se encontra em péssimas condições.

Quem conta um pouco da história de abandono do Campo do Piolho é Teresa Cristina de Miranda, moradora do bairro e figura atuante nas melhorias da comunidade: “A luta começou em 87, quando houve uma mobilização para que a área se transformasse nem ZEIS – Zona Especial de Interesse Social”, diz. “Nisso, houve uma época em que o governo assumiu um trabalho no Campo do Piolho, até para ser mudado o nome dele”.

Mas, como a senhora começou nessa luta pelo Campo do Piolho? “Nesse tempo, passei a integrar um Grupo de Apoio, que tinha como finalidade conversar com a comunidade, saber de seus problemas, levar suas reclamações para os órgãos competentes, comunicar uma reunião no conselho de moradores, etc.”, comenta. “Numa dessas reuniões, houve uma palestra de um rapaz que pertencia a uma ONG de Torrões, falando sobre o que era urbanização, entre outros assuntos de interesse nosso. Então, eu pedi que viesse ao Campo do Piolho, e ele tirou algumas fotos daqui, que levamos para a Prefeitura, para mostrar a situação precária em que vivíamos”.
Mas, houve, de fato, alguma melhora, Dona Cristina? “No começo desse processo, pavimentaram uma rua ali e outra acolá, mas ainda era muito pouco para o que a comunidade necessitava”, avisa. “Somente a partir 2001 começou um grande trabalho de saneamento por aqui, havendo até uma movimentação conjunta dos governos para a construção de banheiros para os moradores, para que se evitasse jogar os detritos no canal”. Mas, e hoje? “No entanto, mais ou menos de 2008 pra cá, nada foi feito. Nem os novos governantes, como Geraldo Júlio, nos visitam; ficamos esquecidos. Atas, abaixo-assinados, relatórios, protocolos. No decorrer de uns 5 anos, já enviamos todo tipo de documentação para o governo, e nada”.

E, ninguém vem olhar o estado de calamidade que a comunidade se encontra? “Por aqui, não precisa ser nem em época de eleição que a gente vê a cara-de-pau do poder público; basta dizer que o prefeito vem fazer uma visita no bairro, que o meio fio é pintado e o lixo retirado das ruas. E, se você chegar na prefeitura, os poucos projetos que foram feitos aqui, estão cadastrados como pelo Orçamento Participativo, o que é uma mentira, pois foram projetos aprovados bem antes da implantação do Orçamento.”

Com a palavra, a Prefeitura do Recife e o Governo de Pernambuco, que até agora, abandonaram o Campo do Piolho, tanto quanto a Rua do Poço.

Deixe uma mensagem