As hortas medicinais do bairro da Mustardinha

por: Rafael Eduardo| Fotos:  Arquivo Flavio Reis

O Projeto Jardim do Lixo, que pretende acabar com os pontos de confinamento de lixo na Mustardinha fazendo jardins nos locais de acúmulo, está ganhando uma ampliação.

Agora, a iniciativa irá  trabalhar também com plantações de ervas medicinais. O projeto é uma iniciativa do Movimento Cultural da Mustardinha, em parceria com o Programa de Esporte e Lazer da Cidade do Recife- Pelc, e a ideia e disseminar conhecimentos sobre plantas que, além de fazerem bem para o ambiente urbano, ainda ajudam a cuidar da saúde.

“Ocorreu um fato com uma pessoa aqui da Mustardinha que nos inspirou a fazer esse projeto. Uma senhora ingeriu breu. Existe na cultura popular, a ideia de que o breu ajuda a restaurar os ossos quando passado sobre a pele. Mas ingerir o Breu foi perigoso para essa senhora. Por conta disso, ela passou dias internada. Então, esse fato abriu essa questão para nós”, explica Flávio Reis, um dos idealizadores do projeto.

O objetivo, segundo ele, é, então, levar informações sobre o plantio e o uso seguro das plantas medicinais.

Desde então, pessoas do bairro, sobretudo do grupo de idosos que participa das atividades do Pelc, vem recebendo formação, com palestras de centros especializados.

A primeira formação foi dada pelo Centro de Saúde Alternativa da Muribeca – Cesam, e a segunda foi feita com o Centro Alternativo de Medicina Popular, em Bairro Novo, Olinda.

Nessa ocasião, os participantes do Pelc tiveram palestra com um médico sobre como trabalhar com as plantas voltadas para a saúde.

“Com isso, é possível conciliar qualidade de vida com a utilização de plantas medicinais. Esse movimento é importante sobretudo para as pessoas idosas. Muitas delas tem aquela ideia de que já estão velhas demais para aprender algo novo. Com essa formação, elas veem que isso não é verdade. Sempre é possivel aprender”, afirma Alexandra Pereira, coordendora local do Pelc.

Esse aprendizado é confirmado na fala de uma das participantes mais antigas do programa. “Esse é um trabalho que trouxe crescimento. Aprendi a plantar e a dividir com a comunidade. Tive conhecimentos muito uteis sobre como fazer chás, lambedores e pomadas com ervas medicinais. Tem sido uma convivência muito proveitosa”, relata Nadisete Ferreira Costa.

O local para a construção da horta de ervas medicinais ainda está sendo definido. A ideia é que ela possa ser instalada na Praça do Abc. Caso não seja possível na praça, a horta será feita no Escritório de Saneamento do Sanear, no bairro da Mustardinha.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Deixe uma mensagem